Featured Slider

O Contemplário: onde as lavandas e sonhos coexistem

A luz do sol, as asas e o bumbum da abelhinha e as duas flores miúdas fizeram com que esta foto se tornasse uma das minhas preferidas!

Estava com tanta saudade de deixar registrado por aqui o sonho que foi conhecer os campos de lavanda! Felizmente, ainda tenho muitas fotos e momentos felizes para compartilhar dessa aventura, então esperam que ainda devo semear por aqui no twee mais palavras e fotografias que cultivei durante essa viagem tão linda. Ah e caso não tenha lido os outros dois posts que fiz sobre Cunha, recomendo ver tudo aqui para não perder nenhum pedacinho.

Como ainda não tinha falado especificadamente dos locais que possuem plantação de lavanda em Cunha, hoje decidi compartilhar as fotos dos dias em que fui passear no Contemplário e pretendo, em um post futuro, compartilhar as fotografias de quando fui ao Lavandário. Já aviso que esse post está recheado de fotografias e palavras!


O Contemplário

O Contemplário se tornou um dos meus locais preferidos. Além de ter um nome lindinho, o lugar é tão aconchegante e gracioso que eu poderia passar a manhã ou a tarde inteira lá, só caminhando entre as lavandas e apreciando as abelhinhas. Para mim, é um passeio que agrada a qualquer um e que certamente tocou e encantou o meu coração. 

O passeio no contemplário é gratuito e há um rapaz simpático apresentando o local na entrada (e caso você tenha a mesma sorte eu tive, vai ter também uma vaquinha comendo grama logo na entrada). Depois de entrar é só começar a explorar cada cantinho, então lembre-se de ser curioso como uma criança e se aventure livremente por lá sempre carregando muita gratidão no coração por estar em um local tão bonito! 


Há um longo caminho enfeitado com hortênsias no lado esquerdo e muitas, muitas, muitas lavandas no lado direito. As hortênsias já estavam com muitas de suas pétalas secas, mas haviam essas duas que ainda mantinham suas cores. Apesar de amar azul, o tom de verde da direita simplesmente roubou o meu coração, ainda mais com os detalhes violetas. Hortênsias são uma das flores que me fazem pensar em fadas, sinto que se eu ficar olhando por um longo período de tempo para esse buquê florido, conseguirei achar uma escondida se eu for rápida e atenciosa o bastante! hihi 


As lavandas presentes por lá são as francesas (Lavandula dentata) e o cultivo, além de ser um deleite para os olhos, é voltado para a colheita, então sempre haverá mudas novas e plantas com flores no campo, o que significa que vai ter partes com lavandas floridas, não importando a época do ano. 


É um campo muito extenso, você pode andar livremente por ali (mas sempre tendo educação e pedindo com licença para as abelhas!) e se apaixonar por cada lavanda que por ali cresceu e floresceu. A vista também é muito bonita e no lado oposto a plantação tem um pequeno chafariz e, se eu estou bem lembrada, pés de laranjas ou outra fruta cítrica. 


Meu pai tirou essa foto enquanto eu estava fotografando as florzinhas brancas e miúdas eu haviam ali do lado das lavandas, nesse momento eu ainda não havia entrado no campo (que pode ser visto ao fundo), mas já estava muito feliz.  O sol estava tão bonito e acolhedor nessa manhã fria de julho. Parece que foi há pouco tempo quando eu pude ver tanta beleza em poucas horas, mas quando lembro que as fotografias foram todas tiradas com minha companheira da época, a querida srta. compacta da foto acima, eu percebo o quão rápido o tempo passou desde esta aventura!


E o resultado da foto foi esse. O chão ficou todo coberto pelas florzinhas brancas, esta é a neve da primavera que ficaria hibernando até acordar em meados de setembro.

O Contemplário tinha um pequeno e charmoso café logo na entrada, conhecido como Café Iracema. Para chegar lá, é preciso passar por um espaço que lembra a uma greenhouse de madeira, pois haviam várias plantinhas felizes morando ali e que podiam ir para um novo lar, caso alguém desejasse. Eu fiquei com vontade de levar uma muda de lavanda e uma linda suculenta, mas como íamos voltar de avião fiquei insegura e deixei as plantinhas por lá mesmo. O café funcionava junto com uma pequena loja onde são vendidos os produtos feitos à mão com as plantinhas aromáticas cultivadas por ali, então há velas, sabonetes, aromatizadores e outras cheirosas.  

No café tem muita coisa gostosa e eu fico com muita saudade do gostinho suave das trufas de lavanda só de lembrar. Por lá você pode encontrar sorvete de lavanda, bombons de chocolate com recheio de lavanda (trufas), bolo de banana e é claro: café. Tudo parecia ser muito delicioso e os funcionários eram todos simpáticos e atenciosos. Eu gostaria de ter tirado foto das guloseimas, mas não deu um minuto e já foram para a minha barriguinha. rs



Durante a viagem inteira eu estava ansiosa para encontrar dentes-de-leão, essas plantinhas mágica que fizeram parte da minha infância e que sempre encantaram o meu coração. Porém, depois que me mudei do Rio, nunca mais tive a sorte de encontrar esses tesourinhos... Felizmente tenho o privilégio de viajar de vez em quando e sempre que estou em algum lugar novo, fico procurando um pompom em cada esquina e é uma enorme felicidade quando vejo um de longe e logo corro para assoprá-lo e fazer um pedido.

No segundo e último dia em que estive no Contemplário a plantação estava completamente vazia. Me senti como se tivesse o campo inteiro só para mim e foi maravilhoso. Com todo o silêncio, conseguia ouvir o barulho das asas das abelhas batendo e o pulsar do meu próprio coração, que estava mais feliz do que nunca. Fiquei fotografando as abelhinhas que eu via nas lavandas e depois de ficar alguns minutinhos falando com elas e as flores perfumadas que estas estavam a visitar, eu avistei vários pompons bem longe e eu tinha certeza que eram os meus amáveis dentes-de-leão. 



Caminhei delicadamente entre as flores enquanto tentava ir até um pontinho branco e fofo e depois de uns dois minutos eu estava bem longe do meu pai e tão pertinho de um sonho. Como os pompons estavam bem distantes entre si, fui em uma caça-ao-tesouro ao procurar um por um e me senti muito sortuda por ser a única pessoinha no campo naquele momento, brincando de encontrar plantinhas tão mágicas em uma plantação de lavandas.  

Devo ter andado durante uma hora e meia entre as lavandas enquanto procurava por dentes-de-leão e fiz vários desejos ao assoprar as sementinhas desses tesouros. Essa é,  sem um pingo de dúvidas, um dos meus pequenos grandes prazeres, amo ver as sementes flutuarem no ar como se estivessem dançando, essa é uma das cenas que enche a minha alma e me faz querer dançar também. E depois de tanto assoprar os pompons que tanto amo, meu cabelo ficou enfeitado com várias sementes. hihi 


Nos momentos em que eu me abaixava para tirar foto ou para pegar um dente-de-leão, meu pai disse que me perdia de vista e ao ouvir isso eu me senti como uma flor, camuflada entre as lavandas e dente-de-leões, como se pertencesse aquele campo.

Espero que tenham gostado do post 

Peço desculpas pelo sumiço! Não planejei ficar tanto tempo longe do Twee, eu estava até tentando trazer um post para aqui no mês passado, mas não conseguia clicar no botão "publicar" e acabei deixando vários de rascunho. Mas voltei para cuidar desse meu jardim e vou estar semeando minhas palavras e fotografias com frequência por aqui, visto que nas últimas semanas escrevi três posts (sem incluir esse) que já estão prontinhos para serem lidos.

Ps: estava anotando os locais que desejo visitar na nova viagem que iremos fazer agora em julho enquanto terminava este post. Em poucos dias estarei em uma nova aventura e espero voltar com muitos momentos bons para compartilhar por aqui.

*aviso*

Estou me preparando e tentando deixar todas as ideias anotadas antes de ir viajar (faltam dois dias!) e assim que eu voltar, irei ler e responder a cada comentário deixado por aqui, mas já agradeço pelo carinho e pelas palavras deixadas para mim, sou muito grata por cada visita feita e palavrinha escrita ♡.    


Muito obrigada a cada um que tirou um tempinho para comentar no post passado!
Já respondi e sorri com todos os comentários :)



Um dia de outono em uma manhã de verão



Estava sentindo falta de registrar e compartilhar por aqui pedacinhos aleatórios dos meus dias, por mais simples que estes sejam. Sinto que no meio de tanta coisa bonita, cheia de significado e importância que tenho para compartilhar (livros, trabalhos que admiro, cartas cheias de carinho, entre outros), eu acabei ficando perdida sem saber por onde começar... É tão bom ter tanta coisa feliz que desejo partilhar aqui, mas também quero continuar a trazer os dias singelos para cá, pois estes também são importante para mim. 

Hoje trago alguns pedaços de um dia de outono em uma manhã do verão, mais especificadamente algumas fotografias que tirei no dia 16 de janeiro, mas que se não fosse pela data e pelo calor, certamente seria um dia de outono, então gosto de pensar nele como se fosse um.




A manhã estava nublada e havia várias folhas caídas na grama, só faltava o friozinho. Nos galhos de uma pequena árvore pequenas folhas permaneciam quietas, trazendo cor e vida. Foram nestes mesmos galhos que eu encontrei no ano passado o ninho que possuía um coração e eu ainda sou tão grata e feliz por ter encontrado essa casinha!


Eu amo sentar e deitar na grama, então decidi sentar-me perto das folhas caídas para contemplar. O meu sapatinho tinha a mesma cor de algumas delas, aliás, acho ele o companheiro perfeito para o outono. Ainda não mostrei ele por aqui, mas ele é o poema caramelo vegano da Tutu (que aliás, está em promoção no site) e é sem dúvidas o meu sapato preferido da Tutu! 


No mesmo local onde sentei-me havia um pequeno passarinho (lavadeira-mascarada ou orion, que é como gosto de chamá-los) saltitando entre as folhas caídas. Amei conseguir fotografar e observar este pequenino.

Qual foi o último passarinho que você viu? O meu foi um bem-te-vi com a barriguinha redondinha e amarela como o sol. 


Muito obrigada pelos comentários fofos no post passado!